O único e verdadeiro Evangelho – Parte 5

Você não se sentiria honrado ao sofrer por Jesus?

Prontos para mais uma? Então vamos lá.

Qual é, então, o único e verdadeiro Evangelho?

4. É O EVANGELHO DOS SOFRIMENTOS

Já temos falado bastante sobre isso. “Sofrimento” foi o tema do nosso estudo “O chamado esquecido da Igreja” (Parte 1 e Parte 2), e também já tornamos a este assunto na Parte 2 do estudo “Uma geração sem nada”. Todavia ainda não estou satisfeito.

Aliás, é impossível para mim deixar de insistir nesse tema quando eu vejo o crescimento abominável desse tal “evangelho triunfalista” que alarga seus domínios satânicos dentro da igreja a cada dia. É preciso ser claro e enfático em chamá-lo de satânico, pois do verdadeiro Evangelho este triunfalismo não tem nada. Até mesmo pregadores que ganharam notoriedade pela ousadia e firmeza de suas pregações, hoje, são vistos pregando “vitória”, “bençãos” e “prosperidade”.

É interessante notar que a palavra “prosperidade” e seus cognatos só aparecem três vezes em toda a Nova Aliança. Em uma delas, referindo-se aos ímpios efésios que serviam à deusa Diana; e, nas outras duas, referindo-se à igreja. Sendo que, nestas duas referências, não há nenhuma promessa de prosperidade aos crentes pelo fato de serem filhos ou servos fiéis. Por outro lado, só a palavra “sofrimento” aparece 29 vezes no Novo Testamento, além das inúmeras ocorrências de “tribulações”, “provações”, “perseguição” e semelhantes.

Entenda-me: eu acredito que Deus sabe dar boas dádivas a seus filhos, que Deus supre nossas necessidades, que Deus não furtará bem algum aos que andam retamente. Só que tais promessas precisam ser entendidas à luz da revelação plena de Jesus Cristo e do Reino de Deus. Se nos limitarmos à cosmovisão do Velho Testamento, certamente que poderemos afirmar que estas promessas referem-se a bênçãos terrenas. Porém, diante da Superior Aliança, descobrimos que Deus se preocupa conosco em um nível muito mais profundo. Ele não quer apenas nos dar vestes, comida farta e uma vida regalada em bens materiais, sombra e água fresca. Deus quer tratar com o mais profundo do nosso ser, derramando sobre nós as bênçãos de uma vida interior completamente tomada pela plenitude do Espírito Santo. Tanto é assim que a Palavra nos assegura que Deus “nos tem abençoado com toda sorte de bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo”.

Dizendo de outra forma, é preciso entender que a preocupação de Deus com cada um de nós é muito mais profunda do que o cuidado com nossa vida financeira, social, familiar, sentimental, e isso significa que, para satisfazer essa preocupação com o espiritual, Deus muitas vezes pode nos fazer sofrer nas outras áreas.

Mas é preciso ir além. Estes pregadores da prosperidade e do triunfo costumam dizer que tudo é uma questão de exercer a fé, pois Jesus Cristo já teria sofrido tudo por nós, de forma que agora não precisamos mais sofrer. Que grande e terrível engano! Devemos entender que Deus não apenas prioriza o espiritual em detrimento do natural; necessitamos compreender que Deus nos coloca em situações de luta e tribulação para nos dar a oportunidade de sermos participantes dos sofrimentos de Cristo.

Gostaria que você fosse capaz de sentir o que o Espírito Santo me faz sentir ao dizer isto. Sofrer por Jesus é uma honra! É maravilhoso, é glorioso, é inefável experimentar na carne um pouco dos sofrimentos pelos quais o nosso Senhor passou, nos identificando com ele por meio desta experiência. Enquanto esses tais pregadores dizem que não precisamos mais sofrer porque Jesus já sofreu tudo, a Palavra de Deus nos ensina exatamente o contrário: porque Jesus já sofreu tudo, precisamos sofrer um pouco para sermos identificados com ele e, assim, podermos desfrutar das riquezas de um relacionamento íntimo com o Senhor.

Não podemos calar e fingir que não somos conhecedores da verdade. As Escrituras nos ensinam claramente que os sofrimentos são, para o crente verdadeiro, motivo de ações de graças, júbilo e regozijo. Não acredita? Abra a sua Bíblia e leia:

“Chamando os apóstolos, açoitaram-nos e, ordenando-lhes que não falassem em o nome de Jesus, os soltaram. E eles se retiraram do Sinédrio, regozijando-se por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome. (Atos 5.40-41)

“Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações.” (Tiago 1.2)

“Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos (1Pedro 2.21)

“Pelo contrário, alegrai-vos na medida em que sois co-participantes dos sofrimentos de Cristo, para que também, na revelação de sua glória, vos alegreis exultando.” (1Pedro 4.13)

Os textos falam por si. Na vida do crente genuíno, sofrimento é sinônimo de alegria, e deve ser algo considerado normal e até desejável, uma vez que são os sofrimentos que nos fazem sentir na carne o gozo de um relacionamento verdadeiro com Jesus Cristo, nosso Senhor. Crentes que sabem de sua cidadania celestial não estão ocupados em desfrutar de deleites terrenos. Eles querem sofrer aqui tudo o que for necessário para experimentar a glória de receber coroa e galardão no Reino dos Céus. “Se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados”.

Tenho certeza de que ainda voltarei melhor a este tema, mas por ora ficamos aqui. Só lembrando que o verdadeiro Evangelho não pode se furtar de anunciar que aqueles que estão em Cristo seguirão os seus passos, e experimentarão sofrimentos assim como ele, o Senhor, experimentou. Samuel Rutherford expressou isso de uma linda maneira: “Deus vos chamou para o lado de Cristo, e agora o vento está dando no rosto de Cristo nesta terra; e vendo que estais com Ele, não podeis esperar abrigo a sotavento ou do lado ensolarado da escarpa.”

Que Deus nos abençoe, de modo a podermos nos identificar com Cristo, mesmo nos sofrimentos.
Nele, que nos deixou o exemplo,
Vinícius Pimentel

Anúncios

5 respostas em “O único e verdadeiro Evangelho – Parte 5

  1. Excelente! Não sou contra a prosperidade. Mas eu a vejo como uma consequencia da justiça/obediencia. Até porque o crente genuino, para chegar a tal é necessario que sofra. Mas a vitoria vem, sim. Fico com o texto do salmista: “fui moço e sou velho mas nunca vi desamparado o justo nem sua decedência mendigando o pão”.

    • Francisco,

      Também não sou contra a prosperidade. Cada um deve trabalhar para obter o seu pão, e deve ainda trabalhar para que sobeje, e tenha com que acudir ao necessitado.

      Mas existe uma diferença entre apoiar a prosperidade e pregar a prosperidade. Apoiá-la é estimular as pessoas a trabalharem, se esforçarem e lutarem para ter uma vida digna, inclusive no âmbito financeiro. Nisso não vejo problema.

      Já pregar a prosperidade é dizer uma destas duas coisas: ou que a prosperidade é fruto da nossa fé, ou que é fruto da nossa obediência. É aí que eu discordo de você: a pregação da prosperidade é completamente anti-bíblica. Não fosse assim, Paulo, Pedro e Jó seriam grandes exemplos de como o crente NÃO deve proceder, pois todos passaram por necessidades financeiras. Entretanto, na verdade todos estes homens são alguns dos maiores exemplares da vida de Deus manifesta entre nós.

      A história de Paulo (para ficar num único exemplo) é a grande demonstração de que justiça não é sinônimo de prosperidade. Apesar de ser fiel no Senhor e de ter certeza de que herdaria uma coroa no reino de Deus, Paulo passou por necessidades, e até fome e nudez! Qual foi o seu erro, o seu pecado? Falta de fé? Desobediência? Certo que não! Paulo simplesmente tornou-se co-participante dos sofrimentos de Cristo, dando graças a Deus por ser digno de não ser próspero por amor ao Evangelho, já que isso traria ainda mais frutos para o seu trabalho.

      De tudo isso, eu resumo dizendo que a prosperidade NÃO é uma promessa de Deus para a Nova Aliança, embora eu creia que Deus abençoe seus filhos com a prosperidade quando isto não interfere em seus propósitos mais elevados. Em outras palavras: aos olhos espirituais, passar necessidades por causa do Evangelho não é um castigo pela nossa desobediência, mas um presente de Deus para nos levar ao amadurecimento e a uma herança nos céus, até que possamos dizer: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”.

      Como sempre, repito: este é o espaço certo para discorrermos à luz da Palavra de Deus. Continuemos conversando e opinando!

      Em Cristo,
      Vinícius

  2. Colocou em palavras muitas coisas que também tenho questionado em meu coração, que não se conforma com “caminhos” que a igreja vem tomando a cada dia, nem com a falta de entendimento que vivemos hoje em uma Superior Aliança como você disse.
    É triste pensar que ainda há os que insistem em fundamentar sua fé somente no Velho Testamento esquecendo do prazer de ser participante da vida com Cristo, perdendo a alegria de mesmo diante de dificuldades, nelas não nos atentarmos tamanho o prazer da doce Presença do nosso Deus em toda nossa vida!!
    Abraços,
    Mírian

  3. Primeiramente parabéns pelo post, e os comentários também estão ótimos.

    Gostaria de deixar também o meu ponto de vista em relação ao assunto proposto, salientando que em muito esse caso tem me tirado o sossego; Vários erros estão sendo cometidos pelos adeptos da teologia da prosperidade, vou aqui relacionar alguns.

    Estamos vivendo a sexta dispensação, no evangelho da graça e não o evangelho do reino que será pregado na sétima e ultima dispensação, onda então todas as bênçãos materiais se farão presente a nação escolhida, (Israel), este equívoco, faz-se notar de forma abrangente até o antigo testamento, onde o povo escolhido (Judeus, hoje Israel) pelo qual deveria vir o Messias, recebia benção material, de acordo com a sua obediência, não estamos mais no antigo testamento apesar de entender que ele continua válido para os nossos dias; porém a forma como Deus tratava com o povo escolhido era peculiar e única e se estende até os nossos dias, para que todos viessem a ver e continuem vendo que existe um Deus único e verdadeiro Ezequiel 36:22 ” Dize portanto à casa de Israel: Assim diz o Senhor Deus: Não é por amor de vós que eu faço isto, o casa de Israel; mas em atenção ao meu santo nome, que tendes profanado entre as nações para onde fostes”; este versículo é para os nossos dias em relação a nação Israelita, a benção financeira para o povo judeu não depende de obediência, nos dias de hoje, somente como exemplo, depois que o povo judeu voltou a habitar a terra prometida em 1948, as chuvas que eram escassas tornando o terreno desértico, passaram a abundar naquela região, quadruplicando a media anual de chuva na região; não estou aqui fazendo apologia ao povo sionista, estou apenas tentando mostrar com isso que existe uma diferença entre a igreja de Cristo do novo testamento e o povo judeu do antigo testamento, enquanto que nós seremos abençoados de uma forma maior “…nos tem abençoado com toda sorte de bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo”. A forma como Deus cuidava do povo escolhido no antigo testamento tinha como objetivo mostrar a todo o mundo da época que somente ele era o Deus verdadeiro e com isso fazer com que todos se voltassem a ele e o adorassem, era comum, por exemplo quando o povo ia a guerra, o sacerdote ou profeta ir a frente do exercito a guerra não erra somente de um povo contra outro povo, mas de um Deus contra outro deus.
    Que grande contraste nós podemos ver com o próprio Senhor quando ele próprio proferiu a seguinte frase, “As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mateus 8:20). E tem pessoas pregando por ai que o nosso Senhor tinha riquezas, e que o jumentinho que ele entrou em Jerusalém era um sinal de prosperidade, é um absurdo o que estão fazendo com o evangelho de Cristo.
    O que dizer dos cristãos primitivos que pagaram com a própria vida para que o evangelho chegasse até nós, não foram apenas alguns, mas no decorrer de cerca de 1.200 anos, milhões de cristãos foram perseguidos e mortos das mais terríveis maneiras que a mente humana consegue imaginar, através da inquisição, isso deixar-me profundamente comovido, o que dizer, faltava-lhes fé a estes pobres homens, ou faltava-lhes aprender a determinar as suas bênçãos, ou um pensamento positivo a respeito, sinceramente, o evangelho que vemos ser pregado hoje, em nada tem haver com o evangelho do nosso Senhor.
    O que estou escrevendo é um desabafo, é que não consigo me calar em meio a tanta heresia, como eu vou evangelizar uma pessoa que tenha qualquer condição financeira estável, de que forma, a pessoa simplesmente vai me diser, “o Cristo que vocês pregam eu não preciso, porque vocês pregam prosperidade, riqueza material, benção financeira, isso tudo o meu deus já me da, e sinceramente, acho que o deus de vocês não é lá grande coisa, porque eu tenho dinheiro a vontade, e vocês vivem propagandeando um deus de milhagres e soluções financeiras, mas o que eu vejo é um povinho que mal tem um par de sapato pra por nos pés, eu estou bem do jeito que estou, muito obrigado, mas eu não preciso do deus de vocês.”
    Eu sei que não é só isso que é pregado nas igrejas, mas é exatamente isso que as pessoas pensam, precisamos urgentemente de uma nova reforma em nossas igrejas, antes que nós tornemos mais um grupo de cristãos nominais, igual a tantos já existentes pelo mundo.
    Deus está preocupado em nós dar uma benção muito maior que poucas moedas nesse mundo terreno, o que ele tem preparado para nós, é muito maior, mais divino, não adianta lutar contra os números, o IBGE, constatou que o grupo de pessoas evangélicas, são os mais pobres de nosso país, apesar de ser o grupo que mais contribui com recursos financeiros as igrejas que freqüentam, o que dizer disso, falta-nós fé por acaso, ou nosso Deus está dormindo, ou acertadamente, o nosso Deus com a sua onisciência conhece o nosso coração e sabe aquilo que nós precisamos, e não nós deixa faltar nada.
    Tg 2:5 Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?

    Versículos para refletirmos
    Sl 37:16 Vale mais o pouco que tem o justo, do que as riquezas de muitos ímpios.

    Sl 39:6 Na verdade, todo o homem anda como uma sombra; na verdade, em vão se inquietam; amontoam riquezas, e não sabem quem as levará.

    Sl 49:6-7 Aqueles que confiam na sua fazenda e se gloriam na multidão das suas riquezas,
    Nenhum deles, de modo algum, pode remir a seu irmão, ou dar a Deus o resgate dele

    Pv 11:28 Aquele que confia nas suas riquezas cairá, mas os justos reverdecerão como a rama.

    Pv 13:17 Há quem se faça rico, não tendo coisa nenhuma, e quem se faça pobre, tendo grande riqueza.

    Pv 23:4-5 Não te canses para enriqueceres; dá de mão à tua própria sabedoria;…Porventura fitarás os teus olhos naquilo que não é nada?

    Pv 30:8 Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza: mantem-me do pão da minha porção acostumada.

    Ec 5:10-18 O que amar o dinheiro nunca se fartará de dinheiro; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda: também isto é vaidade.
    Onde a fazenda se multiplica, aí se multiplicam, também, os que a comem: que mais proveito, pois, têm os seus donos do que verem-na com os seus olhos?
    Doce é o sono do trabalhador, quer coma pouco, quer muito; mas a fartura do rico não o deixa dormir.
    Há mal que vi debaixo do sol, e atrai enfermidades: as riquezas que os seus donos guardam, para o seu próprio dano;
    Porque as mesmas riquezas se perdem por qualquer má aventura; e, havendo algum filho, nada fica na sua mão.
    Como saiu do ventre de sua mãe, assim nu voltará, indo-se como veio; e nada tomará do seu trabalho, que possa levar na sua mão.
    Também isto é mal que causa enfermidades: que, infalivelmente, como veio, assim ele vai; e que proveito lhe vem de trabalhar para o vento, e de haver comido todos os seus dias nas trevas, e de haver padecido muito enfado, e enfermidades, e cruel furor?
    Eis aqui o que eu vi, uma boa e bela coisa: comer e beber, e gozar cada um do bem de todo o seu trabalho em que trabalhou debaixo do sol, todos os dias da sua vida que Deus lhe deu; porque esta é a sua porção.

    Ec 5:12 Doce é o sono do trabalhador, quer coma pouco, quer muito; mas a fartura do rico não o deixa dormir.

    Mt 6:19-21 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque, onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

    Mt 8:19-20 E, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, aonde quer que fores, eu te seguirei.
    E disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça.

    Mt 13:22 E o que foi semeado entre espinhos é o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedução das riquezas, sufocam a palavra, e fica infrutífera;

    Mt 19:23-24 Disse, então, Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que é difícil entrar um rico no reino dos céus.
    E outra vez vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino dos céus.

    Mt 19:21 Disse-lhe Jesus: Se quiseres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.

    Mc 4:19 Mas, os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera.

    Mc 10:17-25 E, pondo-se a caminho, correu para ele um homem, o qual se ajoelhou diante dele, e lhe perguntou: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?
    E Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? ninguém há bom senão um, que é Deus.
    Tu sabes os mandamentos: Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não dirás falsos testemunhos; não defraudarás alguém; honra a teu pai e a tua mãe.
    Ele, porém, respondendo, lhe disse: Mestre, tudo isso guardei, desde a minha mocidade.
    E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me.
    Mas ele, pesaroso desta palavra, retirou-se triste; porque possuía muitas propriedades.
    Então Jesus, olhando em redor, disse aos seus discípulos: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!
    E os discípulos se admiraram destas suas palavras; mas Jesus, tornando a falar, disse-lhes: Filhos, quão difícil é, para os que confiam nas riquezas, entrar no reino de Deus!
    É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus.

    Lc 6:24 Mas ai de vós, ricos! Porque já tendes a vossa consolação.

    Lc 8:14 E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram, e, indo por diante, são sufocados com os cuidados, e riquezas, e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição;

    Lc 12:13-21 E disse-lhe um da multidão: Mestre, dize ao meu irmão que reparta comigo a herança, Mas ele lhe disse: Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós? E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. E propôs-lhes uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância: E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: derribarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; E direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens, para muitos anos: descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.

    Lc 12:33-34 Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei, para vós, bolsas que não se envelheçam, tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói. …onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração

    Lc 18:24-25 E, vendo Jesus que ele ficara muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas! Porque é mais fácil entrar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus.

    Tg 2:5 Ouvi, meus amados irmãos: Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam?

    Tg 5:1 EIA, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai, pelas vossas misérias, que sobre vós hão-de vir.

    1º Tm 6:9 Mas os que querem ser ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína.

    • Irmão Jocemar,

      Agradeço pelo comentário. É sempre bom ter os posts aqui do blog enriquecidos pelas opiniões (mesmo que divergentes) daqueles que nos visitam. Espero que você continue lendo o Marcados para Impactar e nos edifique com seus comentários.

      Quanto a este evangelho da prosperidade, eu gostaria de dizer que “o rei está nu”, afinal são tantos os que têm denunciado os enganos dessa pregação imunda. Mas, infelizmente, apesar de as mentiras da teologia da prosperidade já terem sido escancaradas, os seus arautos continuam angariando mais e mais fiéis. É triste ver que até mesmo igrejas historicamente conhecidas pelo zelo e amor às Escrituras estejam se rendendo aos feitiços da prosperidade.

      Que nós possamos continuar orando pela Igreja, para que o Senhor tenha misericórdia de nós e nos traga um genuíno reavivamento que produza um amor profundo pela sua Palavra. E que possamos continuar anunciando a verdade, porque não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos.

      Em Cristo,
      Vinícius

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s